Líder também precisa de propósito

Fico tranquilo para falar de propósito, pois muito mais que pareça uma palavra da moda, é algo que tenho tentado colocar em prática em minha carreira como líder por quase 20 anos já.

Quando muito jovem ainda, mesmo não conhecendo na teoria o conceito, engatinhando em meus primeiros passos nas minhas experiências de liderança, percebi por observação que pessoas quando estavam muito bem alinhadas em torno de um objetivo maior, e que tinham seu desenvolvimento cuidado com carinho, poderiam render muito mais resultados do que pessoas que trabalhavam somente pelo salário. Fui atrás e comecei a pesquisar sobre o comportamento dos líderes que mais engajavam, que mais conseguiam resultados combinados com um bom ambiente de trabalho, e resolvi tentar incorporar em minhas práticas de gestão alguns pontos comuns que vi nesses líderes.

A primeira questão é a causa maior daquele trabalho. Ainda fora das relações de líder-liderado, a escolha de uma empresa, projeto ou instituição que coincida com os seus valores é fundamental. Cada um tem uma coleção de valores, e combinar essa sua coleção de valores com a coleção de valores da empresa ou projeto é fundamental para que haja paz, tranquilidade em acreditar nos mesmos ideais. Já errei no passado ao me encantar muito por uma função em uma empresa mas não alinhar os valores antes, e rapidamente percebi que a paixão não seria duradoura, pois no longo prazo, queremos estar inseridos em projetos/empresas que acreditamos nos mesmos sonhos, que tem os mesmos valores. Entendido o erro, pedi pra sair, bola pra frente. Pra mim hoje, a empresa tem de fazer o bem, atuar em algo que melhore a vida das pessoas, que respeite o meio ambiente, respeite as pessoas. Simples para mim, mas para cada um é diferente. Você está alinhado com seu projeto ou empresa?

Entrando na relação direta de liderança de pessoas e equipes, para mim o propósito do líder é fundamental. A começar pela transparência. Que seja transparente não só nas palavras, mas nas atitudes. Os americanos usam muito a expressão “walk the talk”, que traduzindo seria ande como a fala, algo do tipo. Tem muito gestor aí que fala da boca pra fora que é voltado pra pessoas, que procura desenvolver suas equipes, mas isso é percebido na prática pelas pessoas?

Cada líder tem um objetivo, um modus operandi de ver as coisas, um propósito, mas será que o discurso está alinhado com o que pratica? Então, é muito importante que o líder comunique de forma transparente o seu propósito, de forma a envolver as pessoas em seus projetos, mas que muito mais que a comunicação, o propósito seja percebido em atitudes. E aí vamos pra segunda etapa.

Em minha carreira, sempre deixei claro que como líder buscava atingir resultados diferentes através das pessoas. Pode parecer simples, trivial, mas gosto de coisas simples mesmo. Mas não quer dizer que o simples é fácil. Aí que entra a parte prática da coisa. E sempre tive muita humildade para buscar exemplos, ler muito, aprender com os outros, pois desenvolver pessoas não é fácil, mas é para mim uma parte muito importante do exercício da liderança genuína. E as atitudes são muitas e em muitas esferas que fazem a diferença, apenas alguns como por exemplo:

• Muita atenção a comunicação, preparação cuidadosa para falar para as pessoas, preparação de conteúdo e forma, criação de histórias e discursos que facilitam o entendimento, engajamento e motivação das pessoas;

• Falar o certo, e não o fácil. É papel do líder conhecer cada pessoa para conseguir dar feedback de forma eficiente, e falar o que a pessoa precisa ouvir, e não o que quer ouvir, de forma firme mas sem ofender ou castigar.

• Buscar trabalhar sempre o desenvolvimento das pessoas, conhecendo profundamente, colocando metas desafiadoras e dando suporte. Ninguém gosta de ser nivelado por baixo e a preocupação genuína e individual com o desenvolvimento das pessoas é fundamental para esse engajamento no propósito.

• Foco em resultado, não adianta nada criar o propósito se não for capaz de realizar. Mas muitas das vezes se as pessoas estão muito bem alinhadas com o propósito são capazes coletivamente de resultados que nem imaginavam individualmente, o que é realmente uma experiência transformadora e ganha ganha entre líder e liderado. Só assim, aquele 1% a mais que faz a diferença coletiva pode ser feito.

Um ponto paralelo nesse exercício corporativo da liderança, é os líderes terem a capacidade de trabalhar em equipe de forma estratégica com os profissionais de recursos humanos nessa busca pela melhor forma de gestão das pessoas. Cada vez mais os gestores e profissionais de recursos humanos tem papel fundamental de parceria estratégica com os líderes, para que possam ajudar no desenvolvimento de ferramentas, indicadores, modelos de gestão práticos e focados em resultado. Saliento aqui o papel cada vez mais estratégico do RH nas empresas quando bem posicionados em parceria com os líderes.

São muitas as atitudes cotidianas que poderia citar que fazem o líder conseguir exercer seu papel alinhado com seu propósito. Acredito muito que cada um de nós tem objetivos e momentos de vida diferentes, mas é muito mais fácil para nós nos doar a participar de projetos ou comunidades onde o líder tem a capacidade de demonstrar e conduzir um propósito que está dentro do nosso conjunto de valores. Assim, as pessoas conseguem ter segurança para se doarem as causas, a realmente ter uma dedicação além da média, e quando o líder tem competência para organizar essas pessoas bem, os resultados geralmente são acima da média. O real sentido da liderança é, de forma simples e leve, fazer as pessoas conseguirem resultados que nem elas mesmo acreditam!

Gostaria de perguntar a você, já teve algum líder que te motivou a buscar resultados diferentes? Ou já teve um líder que falava uma coisa e fazia outra? Já se sentiu abraçado e envolvido por um propósito transformador? Ou tem trabalhado somente pelo salário, e acha que poderia fazer mais se fizesse mais parte do todo? Vamos trocar idéias e exemplos aqui.

ENTRE EM CONTATO

Para saber mais ou contratar nossos serviços e palestras.